Tratamento do Queloide: o que é e como tratar

Aprenda, agora, sobre o que é e como funciona o tratamento do queloide!

O queloide se trata de uma alteração benigna da cicatrização normal da pele. Assim, essa lesão, é caracterizada por ocorrer uma proliferação exagerada do tecido cicatricial, fazendo com que a cicatriz ganhe características específicas.

Desse modo, a cicatriz na pele, ganha um aspecto rosado, vermelho ou escurecido, acompanhada de certa saliência na pele. Sendo que, essa saliência, pode ter o seu crescimento continuado dependendo do estímulo que receber.

Logo, é bastante comum que esse problema de pele leve meses e, às vezes, até ano se desenvolvendo.

Já em relação à população atingida, podemos dizer que ele acontece igualmente em ambos os sexos, porém, alguns grupos populacionais apresentam a patologia com maior frequência, são eles:

  • Afro-descendentes;
  • Descendentes de hispânicos e asiáticos
  • Indivíduos entre 10 a 20 anos.

Consequentemente, essas pessoas precisam estar sempre atentas, pois, por possuírem uma predisposição em apresentar o problema, costumam desenvolver o queloide em diversas partes do corpo.

Quais as causas do queloide?

Ainda não se sabe ao certo como acontece o aparecimento dessa lesão de pele.

Todavia, o que se sabe, é que existem pessoas (principalmente os grupos citados anteriormente) as quais tem uma predisposição a produzir fibroblastos em exagero.

Desse modo, quando esses fibroblastos (mesmo sendo células que são necessárias para a cicatrização normal da pele) estão em excesso, acabam gerando o queloide, o qual é caracterizado por ser um tumor benigno da pele feito, primariamente, de fibroblastos e colágeno em grande quantidade.

Sendo assim, são diversas os acontecimentos que podem levar a essa cicatrização exagerada da pele.

Então, de modo geral, podemos dizer que as causas dos queloides, são traumatismos e lesões do tecido, pois é uma cicatrização errônea dessas situações que levam ao aparecimento do problema.

Logo, podemos destacar como principais:

  • Acne;
  • Feridas;
  • Cirurgias;
  • Colocação de brincos e piercings;
  • Vacinas;
  • Tatuagens;
  • Queimaduras;
  • Dentre outros.

Entretanto, não é possível prever quais são as lesões que irão apresentar queloide e quais as que não vão.

Pois, pode ocorrer que, mesmo que a pessoa tenha predisposição ao problema, alguns traumas cicatrizem normalmente e outros não.

Quais os sintomas relacionados ao queloide?

Quando falamos de sintomas, precisamos entender que os queloide têm uma progressão benigna.

Logo, os problemas que geram não são tão graves, sendo que, normalmente, o que mais incomoda as pessoas é a questão estética.

Entretanto, é possível que, os indivíduos que sofrem com o problema, apresentam alguns sintomas mais específicos como:

  • Dor no local;
  • Coceira;
  • E sensação de ardor;

Outra coisa menos comum, porém um pouco mais preocupante a respeito da patologia, diz respeito à limitação do movimento que ela causa.

Essa situação pode ocorrer caso existam várias lesões de queloide espalhadas pelo corpo, as quais, por terem um aspecto cicatricial e mais endurecido, podem dificultar a realização de algumas atividades.

Já em relação aos locais que mais aparecem, podemos dizer que são aqueles que ficam mais expostos e acabam recebendo uma tração maior de músculos e pele, como o tórax, as costas, os ombros e os braços.

Por fim, um ponto importante a se destacar é que, ainda que fisicamente o queloide não venha trazer problemas graves de saúde, emocionalmente pode ocasionar diversos transtornos, principalmente se aparecer em locais de face ou for muito extenso.

Quais as diferenças entre uma cicatriz hipertrófica e um queloide?

Tanto a cicatriz hipertrófica quanto o queloide consistem em uma cicatrização anormal da pele.

Pois, o esperado de uma lesão de pele é que ela seja clara, lisa e se restrinja ao local em que ocorreu a lesão.

Entretanto, quando colocamos em destaque esses dois problemas de cicatrização, percebemos que nem sempre a pele costuma sarar como seria o indicado.

Em relação ao queloide podemos dizer que ele se caracteriza por ter uma proliferação exagerada do tecido. Assim, ele apresentará um endurecimento da região e uma cor mais avermelhada em brancos e um tom mais escurecidos em negros.

Entretanto, o principal ponto que vai diferenciar um queloide de uma cicatriz hipertrófica é fato de que, o queloide, não se restringe ao local da lesão e tende a invadir outros tecidos.

Ademais, ele também vai demorar algumas semanas para aparecer (em torno de 3 a 4 semanas) ou, até mesmo, alguns anos, tendendo, assim, a ter uma piora com o passar do tempo.

Porém, quando colocamos em destaque a cicatriz hipertrófica, percebemos que esse tipo de cicatrização anormal é um pouco mais discreto que o queloide.

Isso porque, ainda que ela também se caracterize pela mudança de coloração e hipertrofia da pele, ela não ultrapassa os tecidos adjacentes.

Além disso, o seu aparecimento leva em torno de duas semanas e, ao contrário do que se observa no queloide, essa cicatriz tende a regredir com o tempo.

Desse modo, pessoas que apresentam a cicatriz hipertrófica, percebem que com o passar dos anos, a cicatriz vai ficando mais fina e sua cor se assemelha bastante com a da pele.

Entretanto, é possível que, mesmo que a cicatriz fique mais discreta com o tempo, em alguns casos, se apresente uma retração, fazendo com que ela se afunde na pele e tenha um aspecto pouco agradável, principalmente em locais onde se observa um acumulo de gordura.

Como funciona o tratamento para o queloide?

Geralmente, não é necessário nenhum tratamento específico para o queloide, mas, a depender do caso, pode ser que o médico recomende intervenções específicas na tentativa de amenizar o quadro.

Entretanto, é importante ter em mente que esse problema de pele não têm cura, e, dessa forma, a melhor forma de tratar essa situação é evitando o aparecimento de novas lesões.

Uso de pomadas para o tratamento do queloide

O uso de pomadas no tratamento do queloide tem dois objetivos principais: melhorar a aparência da cicatriz (com melhora da cor e redução da saliência) e prevenir a cicatrização errônea da pele (por isso, é recomendado o uso continuo por aqueles que já sabem quem têm o problema).

Desse modo, se a pessoa utilizar corretamente essas pomadas, pode amenizar bastante a sua lesão e melhorar a aparência da sua pele.

Já a respeito dos tipos de pomadas que podemos encontrar, podemos dizer que são diversos os existentes no mercado, sendo que as marcas que ganham maior destaque são:

  • Cicatricure gel;
  • Contractubex;
  • Skimatix ultra;
  • C-Kaderm;
  • E Kelo Cote.

Nesse caso, o melhor, é entrar em contato com o seu médico para saber qual é o mais indicado para o seu caso.

Injeções de corticoide no local da lesão

Esse tipo de tratamento para os queloides já é bastante conhecido pelas pessoas e, inclusive, se destaca por ser um dos mais utilizados, e procurados, atualmente.

Basicamente, essa intervenção consiste em aplicações de injeções ricas em corticoides diretamente no local da lesão.

Dessa forma, essa substância, por ter uma potente poder anti-inflamatório, costuma impedir que a cicatriz se prolifere de maneira indesejada.

Logo, pode-se esperar que essas injeções ajudem a prevenir o aparecimento de queloides e melhorar o aspecto daqueles que se encontram em quadros mais avançados.

Todavia, normalmente, é preciso que essas aplicações sejam repetidas a cada dois meses e acabam por apresentar como desvantagem o fato de serem dolorosas por causa da utilização de uma agulha.

Aplicação de gel de silicone

A aplicação de gel de silicone vem sendo outra alternativa que vem ganhando destaque no tratamento o queloide.

Porém, esse tipo de intervenção é focada, principalmente, na prevenção do aparecimento do problema e consiste em aplicar gel de silicone no local onde tem chances de ocorrer o problema.

Desse modo, é colocado uma espécie de placa no lugar onde ocorre a lesão, sendo que é necessário que a pessoa use essa placa diariamente por, no mínimo, três meses, a fim de impedir que a cicatrização ocorra de maneira desordenada.

Cirurgia para retirada do queloide

Dependendo da extensão da lesão, da quantidade de queloides existentes e da quantidade  de tempo que uma pessoa apresenta o problema, é possível que o médico recomende a remoção cirúrgica do queloide.

Assim, se retira completamente o queloide e se consegue a regressão total dessa cicatriz.

Porém, ainda que essa medida consiga melhorar bastante a estética da lesão é preciso tomar cuidado no pós-cirúrgico.

Visto que, como as pessoas que apresentam queloide têm tendência à formação da lesão em locais de trauma, se não houver o cuidado adequado, pode ser que o problema piore e esse tipo de tratamento não alcance os objetivos desejados.

Por isso, nesse momento, é possível que o médico lance mão de alternativas terapêuticas, as quais já foram citadas anteriormente, a fim de prevenir o aparecimento da patologia novamente.

Radioterapia para queloide

Após a decisão de se realizar uma cirurgia, uma das técnicas mais empregadas para a prevenção do aparecimento do queloide é a radioterapia.

Assim, é recomendado que se iniciasse ela logo no primeiro dia do pós-cirúrgico, a fim de se prevenir a recorrência do erro cicatricial.

Porém, ainda que possa se encontrar bastante eficácia a respeito dessa prática, existem algumas controvérsias a respeito da sua segurança e, por essa razão, ela acaba por ser contraindicada em jovens.

Terapia a laser

Os lasers são um tipo de intervenção bastante eficaz no tratamento do queloide.

Entretanto, é importante saber que não todas as pessoas que estão indicadas para esse tipo de terapia, sendo que, aqueles os quais podem optar pelo uso, são:

  • Quem tem uma cicatriz hipertrófica ainda imatura com vermelhidão a mais de um mês mesmo com o tratamento preventivo adequado;
  • Pessoas que apresentam cicatrizes causadas por queimaduras as quais não melhoram com tratamento (principalmente com gel de silicone) em torno de 8 a 12 semanas;
  • Quem apresenta queloides de aspecto grande o qual não melhora com injeções de corticoides;
  • Indivíduos os quais, mesmo com queloides pequenos, não apresentam melhora com o tratamento convencional.

Assim, para essas pessoas, existe um total de quatro tipos de lasers que, normalmente, são combinados para um melhor resultado, são eles:

  • Laser de corante pulsado (PDL).
  • Laser de dióxido de carbono fracionado (fCO2).
  • Laser alexandrite ou Laser díodo.
  • Luz intensa de pulso (IPL).

Fluorouracil

Essa droga é conhecida por ser um quimioterápico utilizado em alguns tipos de câncer.

E, ainda que o queloide seja uma espécie de tumor benigno da pele, utilizar o fluorouracil, principalmente em associação a uma terapia a laser, costuma gerar bons resultados para pessoas que possuem quadros mais graves da patologia.

Como se previne o aparecimento do queloide?

A melhor forma de lidar com o queloide é se prevenindo o  seu aparecimento.

Desse modo, se você já possui um histórico pessoal ou familiar de aparecimento de queloide, deve evitar situações que podem causar traumas na sua pele.

Logo, colocar brincos ou piercing e realizar tatuagens devem ser atividades que precisam ser pensadas com muito cuidado antes de serem realizadas.

Ademais, as pessoas com a predisposição ao aparecimento desse tumor benigno, necessitam ter um cuidado redobrado na hora de fazer uma cirurgia.

Sendo assim, no pré-cirurgico precisam falar com o seu médico a fim de que ele tome as medidas cabíveis para tentar impedir o aparecimento do problema.

Além disso, já ter algumas medidas de prevenção (como pomadas e placas de silicone) em casa, pode ser bastante útil se o seu objetivo é se precaver até de lesões do cotidiano.

Conclusão

Muito bem, ao finalizar esse artigo você conseguiu compreender quais são os principais pontos relacionados ao queloide.

Dessa forma, você conseguiu entender:

  • O que é queloide;
  • Quais são os grupos de risco que podem apresentar a patologia;
  • Como se forma e quais as suas principais causas;
  • Quais são os sintomas que podem aparecer nessa lesão de pele
  • Qual é a diferença entre um queloide e uma cicatriz hipertrófica
  • Quais são os tratamentos mais utilizados (pomadas, injeções de corticoides, placas de silicone, cirurgia, radioterapia, tratamento a laser e fluorouracil)
  • E como é a forma correta de se prevenir o aparecimento do problema.

No mais, apenas recomendamos que, se você suspeita que esteja desenvolvendo uma lesão de queloide, entre em contato com o seu médico para ele poder orientar a melhor medida a se tomar no seu caso.

Gostou? Então compartilhe esse post com outras pessoas que você sabe que também gostariam de saber mais sobre o queloide.

Sobre o autor:

+ posts

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521. Médica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM). Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês (SP). Fellow em Tricologias, Discromias e Acne pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP). Pós-Graduação em Pesquisa Clínica pela Harvard Medical School – EUA (Principles and Practice of Clinical Research).

Compartilhe Esse Conteúdo
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Unhas

Rosto

Manchas na pele

Doenças da Pele

Dermatologia Estética

Cosmiatria

Cabelo

Receba Novidades

newsletter

Receba Novidades Por E-mail