Tratamento com enzimas lipolíticas: Entenda

Tratamento com enzimas lipolíticas

Atualmente, uma das maiores preocupações das pessoas é a gordura. O acúmulo de gordura é um processo natural do corpo, sendo uma forma de armazenar energia para situações de falta de alimento e também contribuir para a regulação da temperatura interna, especialmente durante o frio.

Porém, o acúmulo excessivo de gordura, especialmente na forma da obesidade, está associado a uma grande gama de problemas de saúde, como o desenvolvimento de diabetes e de problemas de circulação. A questão estética é também um ponto importante, visto que as pessoas tendem a associar beleza a corpos mais esbeltos.

Devido a essas questões, o sobrepeso tende a resultar em problemas de relacionamento com outras pessoas, tanto no meio pessoal e no meio profissional, e em problemas de autoestima, além de diversos problemas de saúde.

O mecanismo de acúmulo de gordura é complexo, sendo dependente de fatores como quantidade de calorias ingeridas e o nível de atividade física, mas também há fatores genéticos envolvidos, de forma que algumas pessoas apresentam maior tendência a engordar do que outras.

Por isso, a redução de peso nem sempre é um processo simples. Felizmente, diversos avanços na medicina e na área estética resultaram em uma grande gama de possíveis tratamentos que visam reduzir a gordura acumulada e, em certos casos, reduzir o nível de acúmulo de gordura também.

Os mais conhecidos são a cirurgia bariátrica e a lipoaspiração. A lipoaspiração é um processo de remoção da gordura, e a cirurgia bariátrica, de modificação do estômago e do intestino, visando dificultar a absorção de calorias.

Porém, ambos são procedimentos cirúrgicos e muito invasivos. Isto significa que apresentam maiores riscos de complicações e mais questões envolvidas, sendo utilizados apenas como último caso. Portanto, antes de realizar esses tratamentos, deve-se optar primeiro por tratamentos menos invasivos.

Um desses é o tratamento com enzimas lipolíticas. Esse tratamento não é tão conhecido, mas é muito simples e apresenta ótimos resultados. Confira!

O tratamento com enzimas lipolíticas

Existem quatro tipos de gordura no corpo humano:

  • Gordura essencial: gordura encontrada nos órgãos e nos tecidos nervosos, servindo como uma forma de proteção, isolamento térmico, e também como armazenamento energético;
  • Gordura marrom: a famosa “gordura boa”. É o tipo de gordura que se distribui por todo o corpo, servindo como isolamento térmico e armazenamento energético. É também o tipo de gordura que é gasto durante o exercício físico;
  • Gordura branca: é a “gordura ruim”. Ela é a responsável pela gordura localizada, isto é, a gordura que se acumula em locais específicos do corpo, ao invés de se distribuir de forma mais homogênea, como a gordura marrom. É mais difícil de ser gasta;
  • Gordura bege: responsável por transformar a gordura branca em gordura marrom, algo que acontece principalmente durante o exercício físico.

A gordura branca, por sua vez, pode se acumular de duas formas diferentes:

  • Gordura subcutânea: gordura acumulada logo abaixo da pele. É a responsável pelos “pneuzinhos”, e a que pode ser sentida ao beliscar a pele. Não é tão ruim quanto a gordura branca, mas é também difícil de ser gasta. É mais comum em mulheres do que homens;
  • Gordura visceral: gordura acumulada nas vísceras, isto é, no interior do abdômen. É a responsável pela famosa “barriga de chopp”, sendo mais comum em homens do que mulheres. É também um dos tipos mais prejudiciais, sendo associada ao acúmulo de gordura no fígado (processo que pode desencadear a cirrose) e ao desenvolvimento de diabetes tipo 2, além de outras condições.

O tratamento com enzimas lipolíticas é apropriado para a remoção da gordura branca, isto é, da gordura localizada. O objetivo é justamente degradar essa gordura, para permitir que o corpo a absorva e a elimine naturalmente.

Enzimas são proteínas especializadas que são muito comuns no corpo humano. Elas tendem a apresentar uma dentre duas funções: unir moléculas ou quebrar moléculas.

As enzimas lipolíticas são enzimas especializadas em quebrar moléculas de gordura. Quando entram em contato com essas moléculas, elas as transformam em moléculas mais simples, que são então naturalmente absorvidas pelo corpo e mais facilmente eliminadas.

Essas enzimas são também biocompatíveis. Portanto, sua presença no corpo não resulta em efeitos colaterais, contanto que tenham sido aplicadas corretamente. Após degradar a gordura nos locais desejados, elas são também absorvidas e eliminadas naturalmente.

Em geral, além das enzimas, a fórmula injetada também apresenta algumas outras substâncias como forma de facilitar a ação das mesmas.

Algumas substâncias, por exemplo, visam facilitar a circulação sanguínea, visando escoar mais rapidamente os produtos das enzimas. Dessa forma, esses produtos se distribuem mais rapidamente pelo corpo, diminuindo as chances deles voltarem a se acumular imediatamente após a degradação. Essas substâncias comumente são vasodilatadores, como o Thermoyalo (composto por tiratricol, cafeína e silício).

Outra substância que pode ser usada é a fosfatidilcolina. Essa substância é produzida naturalmente pelo corpo, sendo responsável por regular o colesterol na corrente sanguínea, facilitando seu escoamento. Sua injeção, portanto, também contribui para evitar que a gordura volte a se depositar durante o tratamento.

Outras aplicações

Embora seu principal ponto seja a diminuição da gordura localizada, as enzimas lipolíticas também apresentam uma grande gama de aplicações estéticas, visto que existem outras características consideradas desagradáveis que também são influenciadas pela formação de depósitos de gordura.

Celulite

A celulite é formada pelo acúmulo de gordura e água em determinadas regiões do corpo, em especial nos glúteos e nas coxas, sendo mais comum em mulheres. Essa gordura tende a se acumular continuamente, eventualmente se endurecendo e formando nódulos e tecido fibroso. Esse processo pode comprometer a circulação na região também.

O uso de enzimas lipolíticas consegue, portanto, eliminar essa gordura acumulada, o que contribui para a remoção da celulite. Como envolve também o uso de substâncias vasodilatadoras, também ajuda a recobrar a saúde da região, estimulando a circulação e o escoamento da gordura.

Flacidez

A flacidez é um resultado natural do envelhecimento. É uma consequência da diminuição da produção de colágeno e elastina pelo corpo, proteínas importantes para a manutenção da firmeza e elasticidade da pele. Essa diminuição se inicia a partir dos 30 anos de idade, e seus efeitos começam a ser notados a partir dos 40 ou 50 anos.

A flacidez é comumente tratada pelo uso de bioestimuladores de colágeno e preenchedores. Dessa forma, é possível regenerar e rejuvenescer a pele, tornando-a mais firme.

Porém, um dos aspectos que resulta na flacidez é, também, o acúmulo de gordura. Esse acúmulo contribui para aumentar o peso da pele, possibilitando que fique “caída”. Portanto, a remoção dessa gordura contribui para melhorar os resultados também.

Por isso, o tratamento com enzimas lipolíticas pode ser combinado com a estimulação da produção de colágeno para melhorar a flacidez.

Estrias

As estrias são o resultado de um processo de estiramento repentino do corpo. São mais comuns em mulheres, frequentemente se formando durante a puberdade, gravidez, ou musculação intensa. São normalmente o resultado de uma combinação entre crescimento rápido da pele e desequilíbrios hormonais.

A estria se forma a partir do rompimento da derme, em conjunto com uma maior dificuldade de regenerá-la. Isso modifica a aparência do local, e pode ocasionar também na formação de sulcos.

Elas também são tratadas com o uso de bioestimuladores de colágeno, visto que isso estimula a regeneração correta da derme. Porém, os locais onde as estrias aparecem com mais frequência também são regiões de acúmulo de gordura, e ganhos rápidos de peso também podem resultar em estrias.

Portanto, o tratamento de estrias e gordura localizada podem ser combinados, obtendo resultados ainda melhores.

Tratamento com enzimas lipolíticas

O procedimento

O procedimento consiste em injetar as enzimas diretamente nos locais em que a gordura localizada está presente. Isso inclui: abdômen, coxas, glúteos, entre outros. São utilizadas agulhas extremamente finas, de forma a minimizar os danos à pele. O alvo comumente é a hipoderme, camada mais profunda da pele, visto que é a região onde a gordura tende a se acumular.

Sendo usada uma agulha fina, e inserida a baixa profundidade, o procedimento causa pouco desconforto. Porém, caso necessário, pode ser aplicado um anestésico tópico, como forma de diminuir o desconforto.

O tratamento com enzimas lipolíticas requer a realização de múltiplas sessões para efetuar a remoção total da gordura. Geralmente, são necessárias entre 5 e 10 sessões, com 30 minutos de duração, espaçadas em uma a duas semanas cada uma.

Resultados

Os resultados podem demorar um pouco para serem perceptíveis. Em geral, pode-se demorar até a sexta sessão para os primeiros resultados serem notados, e os resultados finais somente serão notados apenas alguns meses após o tratamento.

Porém, após esse período, ficará evidente uma clara redução da gordura localizada, o que trará muitos benefícios à saúde.

Algumas sessões de manutenção podem também ser necessárias para manter-se os resultados ou garantir que a redução ocorra por completo.

Efeitos adversos

Sendo um procedimento minimamente invasivo, os efeitos colaterais são pouco intensos. Geralmente, ocorre vermelhidão, inchaço e leve dor no local tratado, consequência do uso de agulhas e da injeção de substâncias na pele. Podem surgir também pequenos nódulos no local. Porém, os sintomas cessam em até 48 horas.

Para evitar possíveis complicações, recomenda-se evitar exposição excessiva do local tratado ao sol, aplicando protetor solar sempre que necessário expor o local à luz solar (FPS de mínimo 30). Também deve-se evitar o uso de anti-inflamatórios durante o tratamento e a realização de outros tratamentos estéticos no local durante esse período.

Pós-tratamento

É importante saber que, no caso desse tipo de tratamento, a eliminação da gordura degradada não é realizada pelo sistema digestório nem excretor (isto é, não é feito pelas fezes nem pela urina).

As enzimas são responsáveis por quebrar a gordura de forma a transformá-la nas substâncias que a originaram, isto é, os triglicerídeos e a glicose. Essas substâncias não são totalmente excretadas pelo corpo. Em geral, elas somente são excretadas pela urina em quantidades significativas quando há diabetes.

Portanto, o objetivo do procedimento não é exatamente eliminar a gordura por completo, mas facilitar a sua utilização pelo corpo. A gordura localizada é dificilmente metabolizada pelo corpo, por isso, apresenta essa tendência a se acumular.

Devido a isso, durante e após o tratamento com as enzimas lipolíticas, é necessário realizar mudanças no estilo de vida para poder gastar esse potencial energético que está sendo liberado. Caso contrário, ele voltará a se acumular.

Isto é, o pós-tratamento consiste em adotar uma alimentação mais saudável e, portanto, menos calórica, e também realizar exercícios físicos de forma habitual, como forma de estimular a “queima” dessa gordura e impedir que ela se forme novamente.

Leia também: Skinbooster: tudo sobre esse tratamento

Contraindicações

Embora seja um tratamento seguro e minimamente invasivo, ele apresenta contraindicações, assim como qualquer outro procedimento médico ou estético.

O tratamento com enzimas lipolíticas não é indicado para gestantes e lactantes, assim como a maioria dos procedimentos estéticos, e também não pode ser realizado quando há presença de inflamação, infecção ou doenças de pele no local a ser tratado. É necessário que essas condições sejam resolvidas antes da realização de cada sessão.

Também não é indicado para pessoas que apresentem alergia a algum dos componentes da fórmula. A fórmula utilizada tende a apresentar diversas outras substâncias em conjunto com as enzimas de forma a facilitar sua ação. Intolerância à fórmula está associada a alergia a frutos-do-mar, portanto, o tratamento não é indicado para pessoas que a tenham.

Não é recomendado também para pessoas obesas ou que tenham hipertensão. O tratamento apresenta ação relativamente lenta e superficial, e sua efetividade depende da qualidade da circulação sanguínea, que tende a se encontrar prejudicada em pessoas que apresentem alguma dessas condições.

Conclusão

O tratamento com enzimas lipolíticas é um procedimento seguro e minimamente invasivo, sendo capaz de obter ótimos resultados. É especialmente eficaz para a redução de gordura localizada, assim como para o tratamento de estrias, celulite e flacidez.

É importante salientar, porém, que, para ser devidamente eficaz, o tratamento deve ser aliado a uma mudança de hábitos. O tratamento não é milagroso: ele apenas ajuda o corpo a metabolizar a gordura localizada, visto que, em condições normais, ela é dificilmente reabsorvida. Portanto, seus resultados só se concretizam com o auxílio de uma alimentação saudável e exercícios físicos regulares.

Gostou do artigo? Compartilhe nas redes sociais! Lembre-se também de assinar a nossa newsletter!

Sobre o autor:

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521. Médica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM). Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês (SP). Fellow em Tricologias, Discromias e Acne pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP). Pós-Graduação em Pesquisa Clínica pela Harvard Medical School – EUA (Principles and Practice of Clinical Research).

Compartilhe Esse Conteúdo
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Unhas

Rosto

Manchas na pele

Doenças da Pele

Dermatologia Estética

Cosmiatria

Cabelo

Receba Novidades

newsletter

Receba Novidades Por E-mail