Como tratar a alergia ao poliéster

O poliéster é uma fibra sintética presente em muitas roupas e outros tecidos. Algumas pessoas, ao entrar em contato direto com tecidos à base de poliéster, apresentam uma reação na pele.

Neste artigo, analisamos os sintomas, o tratamento e a prevenção de alergia a poliéster.

O que é uma alergia a poliéster?

Poliéster é comum em roupas, roupas de cama e tapetes.

Uma pessoa com alergia a poliéster pode apresentar uma reação cutânea quando entra em contato direto com tecidos que contêm poliéster. O poliéster é uma fibra sintética comum em:

  • roupas
  • itens doméstico, como tapetes, roupas de cama e cortinas
  • tecidos industrializados

A alergia ao poliéster é um tipo de dermatite de contato. Existem dois tipos principais de dermatite de contato:

  • Dermatite de contato irritante: Este é o tipo mais comum, ocorre quando uma substância irrita ou danifica a pele e causa inflamação. Esta reação ocorre tipicamente em minutos ou horas na pele da pessoa que entra em contato com o alérgeno.
  • Dermatite de contato alérgica: Isso ocorre quando o sistema imunológico do corpo reage erroneamente a uma substância inofensiva, causando uma reação cutânea. Essa resposta geralmente ocorre vários dias após a exposição ao alérgeno.

Alergias a poliéster são prováveis de serem causadas por dermatite de contato irritativa.

Sintomas

As alergias ao poliéster geralmente afetam a área da pele com a qual o tecido entra em contato. Os sintomas podem incluir:

  • irritação na pele
  • vermelhidão
  • ressecamento
  • coceira
  • inchaço
  • formação de bolhas

Esses sintomas podem se aparecer em questão de minutos ou horas após contato com o poliéster, ou podem demorar de 1 a 2 dias para aparecer.

Tratamento

Identificar corretamente uma alergia a poliéster é um desafio. O material à base de poliéster, por vezes, contém uma série de outros potenciais irritantes, como detergentes, corantes ou fragrâncias.

Antes de se submeter a qualquer forma de tratamento, é importante identificar a origem da alergia com a ajuda de um médico.

A maneira mais eficaz de tratar uma alergia ao poliéster é evitar entrar em contato com o material. A substituição de produtos domésticos e itens de vestuário por versões sem poliéster pode ajudar a reduzir o risco de sofrer uma reação.

No entanto, nem sempre é fácil ou possível evitar todo o poliéster, particularmente no trabalho ou em outros locais públicos. Há uma variedade de medicamentos vendidos sem receita médica e prescritos para aliviar os sintomas de uma alergia a poliéster, incluindo:

  • hidratantes
  • anti-histamínicos
  • esteroides tópicos ou orais

Um médico pode fornecer orientações sobre como usar esses medicamentos.

Se os sintomas de uma pessoa não respondem ao tratamento, o médico pode indicar a terapia de luz ou fototerapia. Esta terapia usa um tipo especial de luz para retardar o crescimento celular e a inflamação na pele. Os médicos indicam esse tratamento para uma variedade de doenças na pele, incluindo alergias a poliéster.

Prevenção

A lã é um tecido alternativo ao poliéster.

Uma pessoa pode evitar reações ao poliéster, evitando o contato direto com um tecido que contenha poliéster em sua composição. Isso demanda alternativas para roupas ou acessórios feitos de poliéster. São tecidos alternativos:

  • algodão
  • linho
  • seda
  • spandex

Tecidos geralmente contem uma mistura de fibras diferentes, por isso é essencial verificar a etiqueta antes de comprar. Por exemplo, muitos materiais à base de algodão também contêm poliéster.

Muitos carpetes também contêm poliéster, mas nem sempre é prático ou acessível substituí-los. No entanto, uma pessoa pode evitar o contato direto com um carpete de poliéster, basta:

  • usar calçados adequados, como meias, chinelos ou sapatos
  • posicionar tapetes sem poliéster
  • sentar ou deitar no carpete

O empregador de uma pessoa pode adotar medidas para substituir os produtos à base de poliéster por alternativas adequadas. Um médico pode fornecer um laudo por escrito atestando a alergia ao poliéster.

Fatores que contribuem

Existem certos fatores que podem aumentar a probabilidade de ter uma alergia ao poliéster, como:

  • ter outras alergias
  • ter doenças de pele pré-existentes, como eczema
  • ter pele sensível
  • trabalhar com a pele submersa na água
  • trabalhar em ambientes quentes ou úmidos

Conclusão

O poliéster é uma fibra sintética comum que os fabricantes usam em uma diversidade de tecidos, incluindo roupas e utensílios domésticos. Para algumas pessoas, entrar em contato direto com o poliéster pode causar uma reação na pele.

O melhor método para prevenir uma alergia a poliéster é evitar todo o contato da pele com tecidos que contenham poliéster. Isso pode nem sempre ser possível, mas medicamentos estão disponíveis para ajudar a minimizar os sintomas.

Sobre o autor:

+ posts

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521. Médica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM). Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês (SP). Fellow em Tricologias, Discromias e Acne pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP). Pós-Graduação em Pesquisa Clínica pela Harvard Medical School – EUA (Principles and Practice of Clinical Research).

Compartilhe Esse Conteúdo
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Unhas

Rosto

Manchas na pele

Doenças da Pele

Dermatologia Estética

Cosmiatria

Cabelo

Receba Novidades

newsletter

Receba Novidades Por E-mail