Remoção de tatuagens: conheça os tratamentos

Remoção de tatuagens

A realização de tatuagens é uma prática comum hoje em dia, especialmente entre pessoas jovens. É uma forma artística e de expressão que é feita pelos mais diversos motivos. Pode ser tanto um meio de recordar momentos marcantes, expressar os próprios gostos e visões de mundo, como uma declaração de amor.

A tatuagem permanente é a mais requisitada, justamente por seu caráter permanente. A tatuagem de henna também é muito popular, mas geralmente dura apenas por volta de um mês. A tatuagem permanente, por outro lado, pode se manter por toda a vida da pessoa após sua realização.

O processo consiste em depositar os pigmentos na derme, camada da pele situada logo abaixo à epiderme, sua camada mais externa. Após sua inserção, os processos de regeneração do corpo recuperam a derme e a epiderme ao redor dos pigmentos, fixando-os no local. Como o tecido acima deles apresenta baixa espessura, ele se torna transparente, permitindo que os pigmentos sejam visíveis.

A realização de tatuagens é uma prática milenar, encontrada em diversas culturas. Era inicialmente feita de forma mais manual, através de algum utensílio pontiagudo e pigmentos de origem natural. Atualmente, utiliza-se um dispositivo próprio, composto por microagulhas, seguindo rígidos padrões sanitários, visando evitar complicações.

Embora o caráter permanente seja o maior atrativo, ele também traz alguns problemas.

Primeiramente, para obter-se um bom resultado, é necessário que o artista responsável tenha experiência com a prática, visto que não é possível desfazer facilmente a deposição dos pigmentos.

Segundo, com o tempo, a tatuagem pode mudar de aparência. Os pigmentos podem se difundir para camadas mais profundas da pele, tornando a tatuagem mais clara. O uso de pigmentos de baixa qualidade também pode ocasionar outras mudanças ao longo do tempo.

Terceiro, mudanças podem ocorrer na vida de uma pessoa com o passar do tempo, o que pode levá-la a se arrepender de ter feito a tatuagem.

Além disso, há outros possíveis problemas, como a ocorrência de reações alérgicas, tatuagens feitas de forma não-consensual ou durante episódios de vulnerabilidade, entre outros.

Portanto, existem várias condições que podem levar uma pessoa a desejar a remoção de tatuagens. Embora ela comumente não seja removida por processos naturais, como é o caso da tatuagem de henna, existem algumas opções atualmente para a remoção completa de tatuagens permanentes.

Tratamentos de remoção de tatuagens

Um dos métodos mais comuns para lidar com o arrependimento quanto a tatuagens é a sua sobreposição. Isto é, alguma outra tatuagem é aplicada por cima como forma de “disfarçar” a anterior. Muitas vezes isso pode ser feito por receio quanto aos resultados dos procedimentos de remoção, ou por desconhecimento dos mesmos.

Porém, os métodos atuais são muito efetivos e tendem a ter ótimos resultados, recuperando a aparência natural da pele total ou quase totalmente.

Existem quatro métodos possíveis de remoção de tatuagens: por laser, por cirurgia, por dermoabrasão e pelo uso de cremes especiais. São métodos muito acessíveis e que podem gerar ótimos resultados. O mais procurado é o laser, por combinar um procedimento mais leve com uma regeneração de melhor qualidade. Mas, nesse artigo vamos apresentar brevemente os outros métodos também.

De qualquer forma, antes de iniciar um processo de remoção, é importante consultar um dermatologista para conhecer as características do seu caso e, com isso, descobrir qual seria o melhor método para se usar.

Remoção de tatuagens a laser

A remoção a laser consiste no uso de um laser especial para a destruição dos pigmentos inseridos no processo.

Um laser é um feixe de luz de alta energia. Diversos processos podem ser utilizados para gerar esse feixe, dotando-o de diferentes características, e o formato do feixe também pode ser modificado para melhorar suas propriedades.

O procedimento se aproveita do caráter destrutivo do laser. Essa alta energia concentrada é utilizada para causar súbitos aumentos de temperatura em um determinado local. Isso estimula a degradação de substâncias e células no local atingido, permitindo que sejam absorvidas pelo corpo.

Embora tenha tal potencial destrutivo, os lasers utilizados para fins médicos e estéticos são cuidadosamente calibrados para minimizar os danos causados. Porém, a ocorrência de danos de baixa intensidade no tecido é benéfica, visto que estimula a regeneração e o rejuvenescimento da pele no local atingido.

Para a remoção de tatuagens, assim como para a remoção de lesões pigmentadas, comumente se utiliza o laser pulsado (também conhecido como Q-Switched). Ao contrário do laser de feixe contínuo, tipo de feixe que estamos acostumados quando imaginamos um laser, o laser pulsado consiste na emissão de feixes curtos com certo espaçamento.

Isso se deve à forma como o laser é produzido: ao invés de emitir o feixe assim que é produzido, ele é “armazenado” e “carregado” por um tempo antes de ser emitido. Dessa forma, aumenta-se sua energia. Pigmentos são mais difíceis de remover do que células, portanto, essa maior energia é necessária para aumentar sua eficácia.

Dessa forma, não é necessário usar um feixe contínuo de maior energia. O uso de maiores intensidades de energia continuamente pode causar maior desconforto e efeitos colaterais mais intensos. Portanto, o laser pulsado permite focar a energia de forma mais eficiente, tornando o tratamento mais confortável sem prejudicar sua qualidade.

O procedimento pode se valer de diferentes tipos de laser. A eficácia do laser depende muito da cor e do tipo de pigmento presente, visto que pigmentos diferentes absorvem essa energia de formas diferentes. Os pigmentos pretos são os mais fáceis de serem removidos, visto que absorvem todo o espectro visível, mas alguns pigmentos mais raros, como o verde-lima e o azul-celeste, são mais difíceis.

Tipos de laser comuns para o tratamento são:

  • Nd:YAG: laser produzido por um cristal de ítrio e alumínio (YAG) dopado com partículas de neodímio (Nd). É um laser moderno e muito versátil, apresentando grande gama de aplicações médicas e estéticas. Apresenta dois comprimentos de onda possíveis: 1064 nm e 532 nm. O modo de 1064 nm permite a remoção de pigmentos pretos e azuis, enquanto o de 532 nm, vermelhos, laranjas e amarelos.
  • Rubi: laser produzido por um cristal de rubi. Apresenta comprimento de onda de 694 nm, o que o permite remover pigmentos pretos, azuis, verdes e roxos, complementando, portanto, a ação do Nd:YAG.
  • Alexandrita: laser produzido por um cristal de alexandrita. Apresenta a mesma capacidade de remoção de pigmentos que o laser de rubi, mas utilizando um comprimento de onda de 755 nm.

É necessário, portanto, o uso de mais de um dispositivo de laser para a remoção de tatuagens coloridas, mas a remoção de tatuagens completamente pretas é um processo mais simples.

Embora seja um tratamento seguro e muito requisitado, é muito importante se atentar à duração do tratamento. O procedimento de remoção consiste em lentamente destruir os pigmentos pelo uso do laser, mas também é necessário respeitar os limites do corpo para evitar complicações.

Por isso, o tratamento necessita de múltiplas sessões para ser finalizado. A duração do tratamento depende de muitos fatores, como tipo, coloração e profundidade da tatuagem, assim como o tamanho da mesma.

Em geral, são necessárias entre 6 e 10 sessões para a remoção completa, com um espaçamento de um mês entre cada uma. Para casos mais complicados, podem ser necessárias mais do que 10 sessões. O tratamento pode, portanto, acabar durando por volta de um ano.

As sessões geralmente duram entre 10 e 20 minutos e causam desconforto relativamente baixo. O pulso do laser em geral é dolorido, o que é a principal causa de desconforto, mas o dermatologista pode optar pelo uso de anestésicos tópicos.

O pré- e pós-tratamento geralmente é simples, envolvendo manter a saúde do local e evitar a exposição ao sol nos primeiros dias após cada sessão, para evitar possíveis complicações. Os efeitos colaterais também apresentam baixa intensidade.

Remoção cirúrgica

Esse é um procedimento mais radical e mais invasivo. Consiste na remoção completa da tatuagem em conjunto com a derme. É um procedimento muito mais rápido que o tratamento a laser, mas, como qualquer cirurgia, apresenta maiores riscos de complicações e inevitavelmente resulta em uma cicatriz.

O tratamento também apresenta algumas limitações. Ele é muito mais fácil para tatuagens pequenas do que para as maiores, visto que envolve a remoção de partes da pele. Além disso, tatuagens maiores também resultam em cicatrizes maiores, maior tempo de recuperação, e maiores cuidados no pós-tratamento.

Esse tipo de tratamento não é tão procurado, devido às suas dificuldades, e também pouco recomendado. Porém, ele se torna importante no caso de uma reação alérgica a algum pigmento. Nesse caso, é de extrema importância para a saúde do paciente que os pigmentos sejam rapidamente removidos, e a remoção cirúrgica proporciona isso.

Por outro lado, para tatuagens pequenas, é uma cirurgia relativamente simples e rápida: é feita por anestesia local e dura no máximo uma hora e meia. Como se limita apenas à pele, a cicatrização também é rápida, demorando no máximo duas semanas.

Remoção de tatuagens por dermoabrasão

A remoção de tatuagens por dermoabrasão é um tratamento um pouco mais antigo. É um pouco mais invasivo que o tratamento a laser, e menos confortável também, mas é menor invasivo que o procedimento cirúrgico.

O procedimento consiste no uso de técnicas de peeling para a remoção dos pigmentos e o estímulo à regeneração da pele. Ele é mais indicado para tatuagens recentes, visto que é capaz apenas de remover os pigmentos mais superficiais.

Através dessas técnicas de peeling, o procedimento busca remover as camadas superficiais da pele para, com isso, remover os pigmentos. A regeneração natural da pele posteriormente preenche novamente o local.

Para a remoção, há diversos métodos que podem ser empregados, a depender do profissional responsável e das características do paciente e do caso. Dentre os métodos, há alguns do peeling físico, como o uso de lixas e de dispositivos eletrônicos abrasivos, e alguns do peeling químico, como o uso de substâncias ácidas.

O procedimento, porém, apresenta maiores riscos que o tratamento a laser, além de ser mais desconfortável.

Primeiramente, há o risco de os resultados não apresentarem a qualidade desejada. Ao invés da pele retornar ao estado anterior à tatuagem, ela pode acabar descolorida ou resultar na formação de cicatrizes. A formação de cicatrizes é especialmente comum para pessoas que apresentam tendência à formação de cicatrizes hipertróficas.

Além disso, há o risco de complicações, em especial algum tipo de infecção, visto que está sendo removida a camada protetora da pele e um pouco da camada inferior.

Portanto, o tratamento por dermoabrasão acaba sendo apenas uma alternativa para o caso de o tratamento a laser não ser possível.

Remoção com cremes

Recentemente, surgiram também alguns cremes para a remoção de tatuagens. Muitos podem ser encontrados em farmácias e na internet, podendo ser aplicados sem auxílio médico (embora o acompanhamento seja importante para verificar se as substâncias usadas são seguras para você).

Sendo cremes, sua aplicação é tópica, portanto, apresentam ação de certa forma limitada. Medicamentos sempre apresentam dificuldade de penetrar a epiderme para atingir a derme. Por isso, nem sempre conseguem remover a tatuagem por completo, mas podem ser efetivos para pelo menos clareá-la.

Produtos diferentes apresentam metodologias diferentes. Alguns buscam penetrar na pele para promover a remoção dos pigmentos, enquanto outros buscam promover a remoção e renovação das camadas superiores da pele, para remover os pigmentos durante esse processo.

Por isso, é importante se atentar à bula, visto que diferentes métodos também implicam em diferentes riscos e diferentes formas de aplicação.

Os cremes buscam ser uma alternativa mais barata a métodos como a remoção a laser. Porém, caso apresentem efetividade limitada, o tratamento prolongado pode acabar sendo mais caro no longo prazo, algo a que é necessário se atentar também.

Remoção de tatuagens

Conclusão

Atualmente, existe uma grande gama de possíveis tratamentos para a remoção de tatuagens. O tratamento a laser é atualmente o mais efetivo e o mais confortável, mas tratamentos mais antigos, como o cirúrgico e dermoabrasivo, continuam sendo uma opção caso necessário.

As pesquisas na área, porém, não cessam, e novos avanços tecnológicos podem resultar em tratamentos mais simples e mais efetivos. Embora atualmente nem sempre sejam tão eficientes, os tratamentos à base de cremes podem evoluir para se tornarem melhor opção também, como foi o caso do tratamento a laser.

Gostou do artigo? Compartilhe! Confira também nossos outros artigos e assine nossa newsletter para ficar por dentro!

Sobre o autor:

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521. Médica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM). Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês (SP). Fellow em Tricologias, Discromias e Acne pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP). Pós-Graduação em Pesquisa Clínica pela Harvard Medical School – EUA (Principles and Practice of Clinical Research).

Compartilhe Esse Conteúdo
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Unhas

Rosto

Manchas na pele

Doenças da Pele

Dermatologia Estética

Cosmiatria

Cabelo

Receba Novidades

newsletter

Receba Novidades Por E-mail