Skinbooster: tudo sobre esse tratamento

Skinbooster

O rosto é a parte mais visível de nosso corpo, estando descoberto a maior parte do tempo, e sendo a parte do corpo que as outras pessoas mais veem quando conversamos ou nos aproximamos delas. Por isso, sua aparência tende a ser o principal foco de tratamentos estéticos.

As mudanças naturais do nosso corpo, porém, influenciam fortemente a aparência do rosto. A partir dos 30 anos de idade, começa o envelhecimento do corpo, e um dos seus principais fatores é a diminuição da produção de colágeno e elastina. A diminuição da presença dessas proteínas no corpo prejudica a saúde da pele, tornando-a mais flácida e menos elástica.

Em geral, os efeitos do envelhecimento começam a se tornar mais visíveis apenas após os 40 ou 50 anos de idade. Porém, antes disso, é possível notar alguns efeitos mais sutis, como leves mudanças do aspecto e da textura da pele no rosto e menor hidratação.

Isso se deve à maior exposição do rosto no dia a dia. A exposição ao sol e ao clima resultam em um aceleramento do envelhecimento. Portanto, o rosto tende a ser o primeiro a mostrar os sinais das mudanças que esse processo proporciona.

Existem diversos tratamentos que buscam desacelerar esse processo, especialmente durante suas fases iniciais. O Skinbooster, porém, é um dos melhores métodos nesse quesito, visto que apresenta ótimos resultados, se vale de substâncias biocompatíveis e utiliza um procedimento minimamente invasivo.

Por isso, é importante conhecer esse tratamento, visto que ele é um grande aliado no combate ao envelhecimento e no rejuvenescimento da pele.

O que é o Skinbooster?

O Skinbooster é um produto composto por ácido hialurônico, visando seu uso em baixas quantidades. O objetivo principal é prover uma hidratação profunda à pele, mas, devido ao uso do ácido hialurônico, também provê certo grau de preenchimento e rejuvenescimento, contribuindo para o combate ao envelhecimento.

O ácido hialurônico é uma substância utilizada há bastante tempo no meio estético e médico. Foi descoberta pela primeira vez no vítreo do olho, em 1934, e sintetizada em laboratório a partir de 1964. Nos anos subsequentes, foram estudadas a sua formação e suas funções no corpo humano.

Nesses estudos, notou-se que o ácido é um dos principais responsáveis pela saúde da pele, regulando a manutenção da sua estrutura e também sua hidratação. Além disso, contribui para a lubrificação das juntas, para o desenvolvimento embrionário, cicatrização, e até como mensageiro entre células.

Devido às suas funções no corpo e a facilidade de sintetizá-lo, foi também aplicado em estudos do meio estético. Como regula a saúde da pele, sua infusão localizada poderia contribuir para o rejuvenescimento da mesma.

Assim, foi notado que, além do estímulo à produção de colágeno e elastina, também apresenta um efeito preenchedor quando injetado de forma localizada. Isso o tornou um grande aliado para o combate ao envelhecimento, especialmente considerando sua biocompatibilidade.

Atualmente, existem várias outras substâncias, também biocompatíveis, que apresentam efeitos semelhantes ao do ácido hialurônico. Porém, como ele já está em uso há mais tempo, é mais conhecido e mais estudado, tornando-o uma opção segura e confiável.

O Skinbooster em si começou a ser usado há poucos anos, nascendo dos estudos clínicos da empresa sueca Galderma. Esse trabalho resultou no Restylane Skinboosters, primeira aplicação comercial do tratamento, que inclusive o conferiu com o apelido “Skinbooster”. O objetivo, como refletido no nome, é dar um “boost” na pele, isto é, uma “boa melhorada”.

Desde então, também surgiram outros produtos derivados, fabricados também pela Galderma, mas também produtos criados por outras empresas. Dentre eles, destacam-se o Juvéderm Volite e o Profhilo, que aplicam também técnicas mais modernas no produto.

O termo “Skinbooster” tecnicamente é uma marca registrada da Galderma, por isso, não consta no nome de produtos criados por empresas concorrentes, embora o funcionamento e objetivo tendam a ser similares.

O Skinbooster se assemelha a alguns outros tratamentos estéticos. Portanto, é importante conhecer suas diferenças antes de optar por algum tratamento.

Skinbooster e MD Codes

O Skinbooster e o MD Codes se assemelham em utilizar o ácido hialurônico como substância principal e buscarem combater o envelhecimento. A principal diferença, porém, é na quantidade de ácido hialurônico utilizado em cada aplicação.

No MD Codes, o objetivo da aplicação de ácido hialurônico é o preenchimento do local e o estímulo à produção de colágeno e elastina. Para ocorrer o preenchimento, utiliza-se maiores dosagens e maiores concentrações da substância. Com isso, os efeitos são mais intensos e perceptíveis.

Por isso, o MD Codes é mais utilizado para pessoas que apresentam sinais mais claros do envelhecimento, como flacidez, sulcos e emagrecimento.

Para o Skinbooster, o objetivo é promover a hidratação da pele. Para isso são utilizadas menores quantidades e concentrações de ácido hialurônico. O procedimento também resulta no rejuvenescimento da pele, mas é algo mais sútil.

Devido aos efeitos mais sutis, se torna mais útil durante o início do processo de envelhecimento.

Skinbooster e intradermoterapia

A intradermoterapia consiste na infusão de medicamentos diretamente na pele. O objetivo comumente é a correção de imperfeições da pele, como a celulite e a flacidez, mas também pode ser usado para a redução de gordura.

Portanto, o termo intradermoterapia é mais abrangente, pois inclui maior quantidade de objetivos e de substâncias usadas.

Como o Skinbooster busca corrigir a desidratação da pele e se vale de injeções diretamente nela, ele seria um tipo de intradermoterapia.

Como funciona?

O ácido hialurônico é uma substância naturalmente produzida pelo corpo. Sua principal função é regular a produção de colágeno e elastina pelos fibroblastos, células especializadas em produzir essas proteínas. A diminuição da produção desse ácido é uma das causas da diminuição da produção delas.

O colágeno e a elastina apresentam muitas funções pelo corpo todo. Na pele, eles são responsáveis por produzir e manter a matriz de sustentação da derme, camada de tecido conjuntivo responsável por sustentar a epiderme, camada mais exterior da pele.

A diminuição da produção dessas proteínas prejudica a regeneração dessa matriz, o que prejudica o formato e funcionamento da derme. Como resultado, a pele se torna mais flácida, e apresenta menor capacidade de reter água, tornando-se menos hidratada.

O Skinbooster, ao ser injetado na pele, reativa a produção de colágeno e elastina, visto que contém ácido hialurônico. Dessa forma, a matriz de sustentação consegue se regenerar, e a derme se torna mais saudável. Com isso, consegue também se manter hidratada por mais tempo.

O tratamento com Skinbooster

O tratamento com Skinbooster consiste na aplicação localizada do produto nas regiões que precisam ser hidratadas. Diferentes quantidades podem ser utilizadas ao longo da extensão do rosto, a depender das necessidades de cada local.

O procedimento é minimamente invasivo. Não é utilizado qualquer tipo de procedimento cirúrgico, apenas infusões superficiais. As infusões são cuidadosamente calibradas para manter o produto dentro da derme, não afetando tecidos mais profundos.

Para obter melhores resultados e efeitos colaterais menos intensos, é feito o uso de microcânulas, ao invés de agulhas tradicionais.

As agulhas pontiagudas tradicionais são muito efetivas na infusão de substâncias em grandes profundidades. Isso é especialmente útil, por exemplo, no caso da vacinação, visto que requer a perfuração de músculos ou veias para ser efetivamente aplicada.

Porém, esse tipo de agulha causa leves danos no tecido durante sua penetração. Isso se deve à ponta afiada que apresenta, e é necessária para passar por tecidos mais densos. Como resultado, é comum que ocorra leve sangramento após sua remoção, e precise de certo tempo para a regeneração do local.

No caso da pele, especialmente para tratamentos estéticos, isso não é necessário. A pele é composta predominantemente de tecido conjuntivo, que é flexível e pouco denso. Portanto, as microcânulas, além de serem mais finas e curtas, apresentam a ponta arredondada.

Essa ponta não prejudica a inserção da agulha, devido à maior flexibilidade da pele, e também não a danifica. Ao ser inserida, ela apenas desloca a pele para os lados, formando um pequeno furo. Após o medicamento ser inserido, a agulha é retirada e o furo volta a se fechar, graças a essa elasticidade.

Devido a essa característica, o procedimento consegue manter o produto no local de aplicação, evitando que se difunda pelo furo formado. Com isso, também diminui o risco de infecção no local.

O procedimento causa pouco desconforto. Porém, caso necessário, pode ser aplicado um anestésico tópico antes de cada sessão para diminuir o desconforto.

Resultados

O resultado principal do tratamento é o revigoramento da pele. Isto é, ela passa a ter um aspecto mais saudável, incluindo uma cor mais viva e uma textura mais agradável, como resultado da maior hidratação.

Esse efeito, porém, não é imediato. O tratamento se vale de processos naturais do corpo, o que o torna mais lento. Geralmente, os primeiros resultados são perceptíveis apenas um mês após a primeira sessão, e duas a quatro sessões são necessárias.

Os resultados finais são visíveis por volta do sexto mês do início do tratamento, e duram por volta de um ano e meio. Felizmente, como o tratamento é minimamente invasivo e biocompatível, ele pode facilmente ser realizado outra vez após o fim dos efeitos.

Efeitos colaterais

Sendo um tratamento minimamente invasivo, apresenta efeitos colaterais pouco intensos, e não requer tempo de recuperação. É possível retornar às atividades habituais no mesmo dia ou no dia seguinte.

Sintomas comuns são a ocorrência de vermelhidão, dor e ardor no local tratado. Em geral, os sintomas causam pouco incômodo, mas uma compressa gelada pode ser aplicada no local por 15 minutos uma vez por dia para melhorar os sintomas. Porém, eles tendem a melhorar em até 48 horas.

Um sintoma um pouco mais raro, mas importante de se mencionar, é a formação de nódulos. O ácido hialurônico, assim como outros bioestimuladores de colágeno, apresenta a possibilidade de formar pequenos nódulos no local de aplicação.

Esses nódulos podem causar leve incômodo, principalmente devido à aparência, mas são benignos e fáceis de remover. Caso perceba que nódulos se formaram, entre em contato com seu dermatologista para realizar a remoção.

Caso apresente efeitos colaterais mais intensos, também é importante consultar seu dermatologista para averiguação.

Após o tratamento

Sendo um tratamento minimamente invasivo, o pós-tratamento também é pouco complexo. O mais importante é recordar que, durante os primeiros dias após cada sessão, a pele estará mais sensível, por isso, é preciso tomar alguns cuidados.

O principal é com o sol. Deve-se evitar exposição excessiva à luz solar, por exemplo, na forma de banhos de sol. Caso precise sair durante o dia, utilize protetor solar com FPS mínimo de 30.

Também deve-se evitar o uso de substâncias potencialmente irritantes, como maquiagem, e evitar aplicar pressão forte sobre o local, especialmente durante o sono.

Recomenda-se realizar massagens leves três a cinco vezes por dia no local e aplicar cremes hidratantes, para uma recuperação mais rápida do local.

Contraindicações

Assim como qualquer outro procedimento estético, o Skinbooster também apresenta algumas contraindicações. Porém, devido ao seu caráter minimamente invasivo, as contraindicações são poucas.

Em geral, não é recomendado para gestantes, lactantes, e portadores de doenças autoimunes. Também não pode ser realizado em locais que apresentem inflamação, infecção ou alguma doença de pele, sendo necessário tratar esses problemas antes de iniciar o tratamento.

Também não pode ser realizado em pessoas que apresentem alergia a qualquer um dos componentes da fórmula.

Conclusão

O Skinbooster é um tratamento fácil, eficaz e minimamente invasivo, capaz de realizar melhorias visíveis do aspecto da pele, em especial no rosto.

O tratamento se vale de décadas de estudo do ácido hialurônico, uma das primeiras substâncias rejuvenescedoras a serem descobertas, que é parte importante de diversos outros tratamentos de rejuvenescimento.

O Skinbooster apresenta resultados mais sutis, sendo mais útil durante o início do envelhecimento. Porém, esse caráter o torna uma ferramenta importante para a desaceleração do envelhecimento já no seu início, permitindo manter o aspecto saudável da pele intacto por mais tempo.

Por apresentar poucas contraindicações e efeitos colaterais pouco intensos, é uma ótima opção de tratamento para a grande maioria das pessoas, o que é uma de suas características mais atrativas.

Gostou do artigo? Compartilhe! Leia também nossos outros artigos e se inscreva em nossa newsletter!

Sobre o autor:

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521. Médica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM). Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês (SP). Fellow em Tricologias, Discromias e Acne pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP). Pós-Graduação em Pesquisa Clínica pela Harvard Medical School – EUA (Principles and Practice of Clinical Research).

Compartilhe Esse Conteúdo
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um Comentário

Postagens Relacionadas

categorias

Pesquise por Categoria

Unhas

Rosto

Manchas na pele

Doenças da Pele

Dermatologia Estética

Cosmiatria

Cabelo

Receba Novidades

newsletter

Receba Novidades Por E-mail